O Filme

Um jovem performer acompanha seu pai em seu serviço de carro de mensagem, o Coração de Neon. A bordo de um carro personalizado eles são contratados para realizar mensagens ao vivo. Após uma apresentação que termina em tragédia, sua vida muda por completo e ele embarca em uma jornada alucinante em nome do amor.​

Trailer Oficial

Declaração do Diretor

lucas-02.jpg

Lucas Estevan Soares

Roteirista, Diretor & Ator

Tudo começou com a curiosidade que sempre tive sobre um elemento cultural que temos no Brasil: o carro de mensagens ao vivo. É um serviço que você pode contratar para homenagear as pessoas que você ama, basicamente você pode enviar serenatas, mensagens de feliz aniversário, entre outras coisas. É assim: uma pessoa aparece de surpresa na frente de sua casa ou trabalho e começa a gritar seu nome. Ele ou ela tem um microfone e um carro brega personalizado com alto-falantes, balões e luzes, é ridículo e constrangedor. Normalmente as pessoas odeiam, mas ao mesmo tempo adorariam receber um. É uma maneira engraçada de dizer que você ama alguém ou de brincar com um amigo. Esse carro carrega várias emoções e você pode simplesmente chamá-lo para enviar para onde quiser, é fascinante para mim e além de tudo é legitimamente brasileiro. É a evolução da mensagem de amor por telefone. Eu amo como o brasileiro é criativo.


Partindo da essência de escrever sobre o que se sabe, aproveitei esse elemento que quis explorar e misturei com outra peculiaridade da minha vida: o bairro onde nasci e o orgulho de ser de lá. A história acontece em uma cidade que conheço muito bem e vem com um elemento muito interessante para brincar. Dentro da narrativa utilizei diversas situações que vivi no bairro como recurso de roteiro, usei pessoas reais, locais reais, as ruas que brincava quando criança e fragmentos da minha vida escondidos dentro da história. Meu objetivo é apresentar uma outra parte do Brasil, um retrato diferente de um país tão grande e com tantas versões de si mesmo. Quero mostrar para o mundo o quanto somos diversos culturalmente e também iniciar uma nova criação de eixo.


Quero que meu filme de estreia compartilhe um pouco de quem sou, o lugar de onde nasci, minha infância e adolescência. E também, quero mostrar o que 12 anos de cinema de guerrilha me ensinaram. É importante para mim compartilhar como tudo começou. Quero eternizar nessa intensa obra de arte a minha cidade, meu bairro, meus amigos e meu começo. Estou enfrentando um sistema de financiamento público em um período de guerra cultural, investindo neste filme para compartilhar uma mensagem. Essa produção arriscada é rara no Brasil. Quero olhar para isso daqui a alguns anos e nunca esquecer que meu trabalho árduo valeu a pena. Chegou a hora de conhecerem o meu verdadeiro potencial.

Galeria